Ômega 7: confira os benefícios do nutriente

Antes de ler esse artigo, tenho uma pergunta para você: Você tem interesse em demorar muito mais na cama? Quer saber o segredo dos atores pornô e deixar sua mulher LOUCA DE TESÃO? Clique aqui e assista ao vídeo.

Ômega 7 espinheiro marítimo

Há anos, os especialistas em saúde veneraram os poderes do omega-3 para o coração e o cérebro, e esse nutriente sempre foi facilmente encontrado no salmão e em outros super alimentos. Agora, um de seus primos menos conhecido, o ômega 7, pode estar roubando um pouco da sua fama.

Estas gorduras emergentes estão ganhando atenção por causa de seu potencial para reduzir os fatores de risco para doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e outras doenças relacionadas à obesidade. Mas, como é frequentemente o caso, o hype de saúde pode ser prematuro, dizem cientistas.

Como outros ômegas, o ômega 7 (ou ácido palmitoleico) é uma gordura insaturada. Gorduras insaturadas – encontradas principalmente em alimentos vegetais, como óleos vegetais, nozes e sementes – são consideradas saudáveis ​​para o coração por causa de seus efeitos favoráveis ​​sobre os níveis de colesterol. Em contrapartida, as gorduras saturadas – encontradas na manteiga, produtos lácteos gordurosos e carne – aumentam o LDL, colesterol “ruim”, promovendo a inflamação em todo o corpo e aumentando o risco de doenças cardíacas quando consumidos em excesso.

O ômega 7 não é um ácido graxo essencial, o que significa que nossos corpos podem fabricá-lo a partir de outros nutrientes e não precisamos obtê-lo de alimentos. Embora não seja tão abundante em nossa dieta como omega-3 e ômega-6, há algumas boas fontes. A macadâmia é um fornecedor notável, e alguns peixes podem fornecer pequenas quantidades também. Os óleos concentrados de um fruto chamado espinheiro marítimo, cultivadas nas montanhas do Himalaia, são uma das fontes mais ricas, porém você não vai encontrar essa fruta estranha em seu supermercado local, mas o óleo é vendido como um suplemento em lojas de alimentos saudáveis.

Até recentemente, o ômega 7 era apenas uma pequena novidade no radar da comunidade de nutrição. Os pesquisadores podem ter sido impedidos de estudar o ômega 7 porque ele não é um nutriente essencial e não é abundante em nossa dieta. Porém, tem havido um grande interesse no ácido oleico, outra gordura insaturada encontrada em quantidades elevadas no azeite, por causa do entusiasmo generalizado pela dieta mediterrânea.

Agora, os cientistas estão começando a mergulhar mais profundamente no mundo dos ácidos graxos, vendo este campo como realmente muito emocionante agora porque está se abrindo e existem novas possibilidades em relação a ácidos graxos específicos. Existem provavelmente 150 ácidos graxos, e todos eles têm funções individuais.

Os efeitos do ômega 7 na saúde não são claros

Como se vê, omega-7 não é o seu padrão de gordura. Em 2008, os cientistas da Universidade de Harvard descobriram que o ômega 7 desempenha um papel importante na regulação do metabolismo, colocando o ômega 7 como o primeiro ácido graxo encontrado para agir como um hormônio no corpo, dando origem a uma classe inteiramente nova de hormônios. Antes deste achado, todos os hormônios conhecidos eram proteínas (como hormônio do crescimento) ou esteroides (como estrogênio e testosterona).

Agindo como um hormônio, o ômega 7 produzido pela gordura do corpo e as células do fígado viaja para outros órgãos do corpo onde, pelo menos em animais, parece proteger contra uma série de processos metabólicos prejudiciais associados a doenças relacionadas à obesidade. Por exemplo, em um estudo conduzido por pesquisadores japoneses, ratos diabéticos que foram alimentados com ômega 7 durante quatro semanas ganharam menos peso em comparação com aqueles que receberam um placebo e tinham níveis mais baixos de triglicérides, gorduras no sangue que aumentam o risco de doença cardíaca.

Os ratos que fizeram a dieta enriquecida em ômega 7 também tiveram níveis mais baixos de açúcar no sangue e melhoraram a sensibilidade à insulina – alterações que podem ser ótimas contra a diabetes tipo 2.

Estudos em animais também mostram que o ômega 7 suprime a inflamação, um processo prejudicial que contribui para a síndrome metabólica, diabetes tipo 2, doenças cardíacas e outras doenças crônicas.

Estudos em seres humanos, embora limitados, refletem algumas dessas descobertas. As pessoas com níveis elevados de ômega 7 no sangue têm mostrado ser mais sensíveis à insulina e têm melhores perfis de colesterol.

Mas nem todas as pesquisas sobre o ômega 7o têm sido positivas: por exemplo, em pessoas com níveis mais elevados de ômega 7 foram associadas a triglicérides mais elevados, um maior índice de massa corporal, e maior risco de insuficiência cardíaca, e é difícil tirar conclusões dos tipos de estudos que estão sendo feitos, uma vez que eles são projetados para encontrar correlações, mas não podem provar causa e efeito.

Embora a investigação animal tenha sido bastante consistente, estudos humanos sobre os efeitos do ômega 7 ainda são muito tímidos e é sabido apenas que o ômega 7 tem muitas funções. Algumas delas são boas e algumas delas são ruins.

Pense duas vezes antes de procurar por suplementos

Alguns “fanáticos por saúde” não estão esperando por mais pesquisas sobre o ômega 7 e já estão indo para lojas de alimentos saudáveis ​​para pegar uma garrafa de capsulas do ômega 7.

Ainda que especialistas afirmem que o ômega 7 tem benefícios como a diminuição de inflamações e muitos dos fatores de risco contribuintes que conhecemos para a doença cardiovascular e o envelhecimento das artérias, ainda não está claro como os suplementos de ômega 7 realmente irão funcionar em nosso organismo.

A verdade é que ainda não se sabe se essa gordura é uma amiga ou uma inimiga, e que é cedo demais para suplementos de ômega 7, ainda que muitas empresas que fabricam suplementos discordem disso.

Em vez disso, é recomendado focar em uma nutrição do seu corpo com uma dieta equilibrada de alimentos integrais, que deve incorporar gorduras saudáveis ​​como azeite e nozes. Isso pode incluir alimentos ricos em ômega 7, como a macadâmia, se você gosta delas (e se pode pagar seu preço elevado).

Substituir a produção natural de ômega 7 do seu corpo tomando uma dose suplementar não é necessariamente uma coisa boa, e é preciso ter em mente que nosso corpo trabalha para conseguir tudo aquilo que precisa para funcionar corretamente.

Na nutrição, tudo precisa estar presente na quantidade certa, ainda que o equilíbrio e a moderação não pareçam tão atraentes para os loucos por academia, é sobre isso que se trata manter seu corpo saudável.

Talvez não precisemos esperar muito tempo para uma melhor compreensão dos efeitos aparentemente contraditórios do ômega 7, porém, até lá, esteja sempre com seu foco em uma dieta balanceada e em exercícios físicos regulares para manter sua saúde e um bom funcionamento do seu corpo.

Recomendados Para Você:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *