Testosterona – Tudo que você precisa saber sobre o Hormônio

Antes de ler esse artigo, tenho uma pergunta para você: Você tem interesse em demorar muito mais na cama? Quer saber o segredo dos atores pornô e deixar sua mulher LOUCA DE TESÃO? Clique aqui e assista ao vídeo.

A testosterona é o principal hormônio sexual masculino que regula várias funções ao lado da produção de espermatozóides, como a fertilidade, a massa muscular, a distribuição de gordura e a produção de glóbulos vermelhos. A testosterona pertence a uma classe de hormônios masculinos chamados andrógenos, que às vezes são chamados de esteróides ou esteróides anabolizantes. Nos homens, a testosterona é produzida principalmente nos testículos, com uma pequena quantidade produzida nas glândulas suprarrenais. O hipotálamo e a glândula pituitária do cérebro controlam a produção de testosterona.

O hipotálamo instrui a glândula pituitária sobre a quantidade de testosterona a produzir, e a glândula pituitária passa a mensagem para os testículos. Essas comunicações acontecem através de produtos químicos e hormônios na corrente sanguínea. Os hormônios são mensageiros químicos que têm a função de provocar mudanças necessárias no corpo.

A testosterona ajuda a trazer as mudanças físicas da puberdade, que transformam um menino em homem, ou seja é responsável pelo desenvolvimento das características sexuais secundárias vistas em homens, como uma voz mais profunda; pêlos no peito, faciais, púbicos e corporais; altura; crescimento do pênis e dos testículos, além de contribuir para uma libido mais saudável e a manutenção dos níveis de energia do organismo. Os homens também precisam de quantidades normais desse hormônio para produzir esperma e poder ter filhos.

Relacionados:

Testosterona nas mulheres

Embora os ovários das mulheres também produzam testosterona, o hormônio é produzido em concentrações muito mais altas nos homens. Nas mulheres, a testosterona é produzida pelos ovários e glândulas supra-renais.

A maioria da testosterona produzida no ovário é convertida no principal hormônio sexual feminino, o estradiol. Da mesma forma como acontece com os homens, a testosterona também contribui para o desejo sexual, densidade óssea e força muscular nas mulheres. No entanto, quando uma mulher passa pela menopausa e seus níveis de estrogênio sofrem um enorme declínio, a testosterona não diminui ao mesmo tempo porque a testosterona é fabricada a partir de uma parte diferente do ovário, depois do estrogênio.

Portanto, há um declínio nos níveis de testosterona, mas isso não acontece ao mesmo tempo que os níveis de estrogênio diminuem. A exceção acontece nos casos em que a mulher tem seus ovários removidos.

Desequilíbrio dos níveis de testosterona

Os níveis de testosterona são controlados pelo cérebro e pela glândula pituitária. Uma vez produzido, o hormônio se move através do sangue para realizar suas várias funções importantes. Os níveis de testosterona mudam de hora para hora. Eles tendem a ser mais altos de manhã e mais baixos à noite. Os níveis de testosterona são mais altos de 20 a 30 anos e diminuem lentamente após os 30 anos de idade até 35 anos. Níveis altos ou baixos de testosterona podem causar disfunções nas partes do corpo normalmente reguladas pelo hormônio.

Por muitas razões, a testosterona pode se tornar – e permanecer – muito baixa. Menos frequentemente, os níveis de testosterona podem se tornar muito altos. Quando este hormônio não está em equilíbrio, podem ocorrer problemas de saúde.

Baixa testosterona

Se a deficiência de testosterona ocorre durante o desenvolvimento fetal, então as características masculinas podem não se desenvolver completamente. Se a deficiência de testosterona ocorre durante a puberdade, o crescimento de um menino pode diminuir e nenhum surto de crescimento será observado. A criança pode ter reduzido o desenvolvimento dos pelos pubianos, o crescimento do pênis e dos testículos e o aprofundamento da voz. Na época da puberdade, os meninos com pouca testosterona também podem ter força e resistência inferiores à normal, e seus braços e pernas podem continuar a crescer fora de proporção com o resto do corpo.

Quando um homem tem baixa testosterona ou está abaixo dos padrões de produção saudáveis ou ainda quando desenvolve algum tipo de hipogonadismo (trata-se do mau funcionamento das gônadas, que são os testículos nos homens e os ovários nas mulheres, também conhecido como “baixa testosterona”, “menopausa masculina”, “andropausa” ou “baixo T”), ele pode experimentar efeitos, como a redução do desejo sexual; ondas de calor; disfunção erétil; baixa contagem de espermatozoides, podendo evoluir para casos de infertilidade e tecido mamário aumentado ou inchado. Isso ocorre porque a testosterona auxilia o desenvolvimento do esperma maduro.

Com o tempo, esses sintomas podem se desenvolver das seguintes maneiras: perda de pelos no corpo; depressão, perda de massa muscular; má recuperação; irritabilidade; perda de força e aumento da gordura corporal. E as consequências só aumentam. Casos de desenvolvimento de testosterona crônica, por exemplo, podem levar à ossos fracos propensos a fraturas; osteoporose; alterações de humor, energia reduzida, diminuição da memória e até encolhimento testicular. Viver um estilo de vida saudável com exercícios regulares e uma boa dieta ajuda a manter os níveis normais de testosterona.

Entre as causas para a queda dos níveis de testosterona estão: lesões testiculares, como a castração; infecção dos testículos; medicamentos, como analgésicos opiáceos; distúrbios que afetam os hormônios, como tumores hipofisários ou altos níveis de prolactina; demência, incluindo Alzheimer; doenças crônicas, incluindo diabetes tipo 2; doenças renais e hepáticas; obesidade; HIV / AIDS; doenças genéticas, como síndrome de Klinefelter, síndrome de Prader-Willi, hemocromatose, síndrome de Kallman e distrofia miotônica.

Alta testosterona

Por outro lado, o aumento demasiado de testosterona no organismo também pode causar problemas. O excesso de testosterona no corpo depende da idade e do sexo. É mais improvável que homens adultos desenvolvam um distúrbio no qual eles produzam muita testosterona do que eles sofram com a redução desse hormônio. As crianças pequenas com testosterona em excesso podem entrar em surto de crescimento falso e mostrar sinais de puberdade precoce (antes dos nove anos de idade). Tanto em homens quanto em mulheres, o excesso de testosterona pode levar à puberdade precoce e resultar em infertilidade, porém essa condição afetaria principalmente os homens mais jovens e é muito mais rara.

Nas mulheres, os altos níveis de testosterona podem levar à calvície masculina (na parte da frente do couro cabeludo), voz profunda e irregularidades menstruais, assim como o  crescimento e inchaço do clitóris; aumento da massa muscular; mudanças na forma do corpo; redução no tamanho da mama; pele oleosa; acne; crescimento de pelos faciais, ao redor do corpo, lábios e queixo.

Existem também várias condições que fazem com que o corpo produza muita testosterona. Estes incluem resistência a andrógenos, hiperplasia adrenal congênita e câncer de ovário. Estudos recentes também ligaram altos níveis de testosterona no sangue em mulheres ao risco de miomas uterinos e da síndrome dos ovários policísticos. Os desequilíbrios da testosterona podem ser detectados com um exame de sangue e tratados adequadamente. Se os sintomas de testosterona grave ou crônica estão aparecendo, a deficiência hormonal pode ser causada por uma doença ou condição ativa, por isso a importância de se realizar testes e exames para um diagnóstico mais adequado. Confira abaixo nosso infográfico sobre os benefícios da testosterona:

o que é quais sao os beneficios da testosterona

Níveis de testosterona e envelhecimento

Com o passar dos anos, os níveis de testosterona diminuem naturalmente com a chegada da idade. Esse declínio na testosterona masculina pode ser potencializado por fatores ambientais e de estilo de vida, levando a muitos problemas de saúde indesejados.  Os efeitos da diminuição gradual dos níveis de testosterona à medida que os homens envelhecem têm recebido atenção crescente nos últimos anos. É conhecido como hipogonadismo tardio. Após a idade de 40 anos, a concentração de testosterona circulante cai cerca de 1,6% a cada ano para a maioria dos homens. Com a idade de 60 anos, os baixos níveis de testosterona levariam a um diagnóstico de hipogonadismo em homens mais jovens.

Pesquisas recentes mostraram que cerca de 4 em 10 homens têm hipogonadismo, no momento em que chegam aos 45 anos de idade. O número de casos em que homens mais velhos foram diagnosticados como tendo baixo nível de testosterona aumenta mais a cada ano. A baixa testosterona também tem sido associada ao aumento da mortalidade em veteranos do sexo masculino.

O hipogonadismo de início tardio tornou-se uma condição médica reconhecida, embora muitos dos sintomas estejam associados ao envelhecimento normal. Os seguintes sintomas são de hipogonadismo de início tardio:

  • diminuição da qualidade erétil, particularmente à noite;
  • diminuição da libido;
  • mudança de humor;
  • função cognitiva reduzida;
  • fadiga;
  • depressão e raiva;
  • diminuição na massa muscular e força;
  • cabelo corporal reduzido;
  • alterações na pele;
  • diminuição da massa óssea e da densidade mineral óssea;
  • aumento da massa gorda abdominal.

Além da disfunção sexual, o hipogonadismo de início tardio também tem sido associado a doença metabólica e doença cardiovascular. O grau de declínio dos níveis de testosterona varia entre os homens, mas um número crescente de homens já experimenta os efeitos dos níveis reduzidos de testosterona. A expectativa de vida aumentou e muitos homens agora vivem além dos 60 anos. Como resultado, um número maior de homens vê os efeitos da testosterona relacionada à idade.

Os problemas associados a altos níveis de testosterona são infrequentes e raros em homens de meia-idade e idosos que não estão recebendo testosterona ou outros tratamentos com esteróides. Quando o nível de testosterona fica desequilibrado, geralmente fica muito baixo em vez de muito elevado.

Reposição de Testosterona

Em relação ao tratamento para o hipogonadismo como resultado de uma doença, difere do tratamento do hipogonadismo de início tardio em homens mais velhos. É preciso diagnosticar as causas do problema para que o tratamento correto possa ser oferecido a cada caso. Os médicos, por exemplo, podem prescrever medicamentos que contenham testosterona, como: injeções, cremes e tratamentos à base de terapias. Porém, é importante ressaltar que nem todos os homens devem usar a terapia com testosterona ou o mesmo medicamento.

É necessário que a causa do problema e seus sintomas sejam identificados de forma correta para que o tratamento não seja realizado em um paciente que não tenha problemas com o desequilíbrio dos níveis de testosterona, como homens com câncer de próstata suspeito ou mulheres com câncer de mama, por exemplo. Isso porque um tratamento errôneo pode gerar graves transtornos de saúde, como problemas renais, hepáticos ou cardíacos em maior risco de complicações dessas doenças. Por isso, antes de iniciar qualquer tipo de tratamento em relação aos níveis altos ou baixos de testosterona, é muito importante consultar um médico para determinar qual tratamento, se houver, é o ideal para você.

Tipos de tratamento

A baixa testosterona está se tornando cada vez mais comum. Existem, no entanto, fontes das quais pessoas com baixa testosterona podem aumentar seus níveis.

Aumentar testosterona com Suplementos

Um tratamento proposto para a baixa testosterona vem na forma de suplementos de testosterona. No entanto, nenhum suplemento oral de testosterona está atualmente aprovado para venda. Estudos investigaram os efeitos da suplementação de testosterona em homens idosos com testosterona baixa e identificaram que a suplementação não parece levar a efeitos benéficos sobre a mobilidade funcional, densidade mineral óssea ou função cognitiva. Pesquisas também já observaram alguns efeitos na composição corporal e nos fatores de risco metabólicos.

No entanto, até que haja evidências mais fortes de seus benefícios e segurança, o tratamento com testosterona em homens idosos deve ser restrito àqueles com sintomas clínicos graves de testosterona baixa. Órgãos de saúde recomendam que os suplementos de testosterona não sejam adequados para tratar o hipogonadismo de início tardio, e devem ser prescritos apenas para uma causa identificável.

O tratamento, como observado, pode levar a efeitos colaterais indesejados, por isso pode ser crucial para equilibrar os benefícios esperados da suplementação de testosterona com os riscos do tratamento. Frequentemente, baixos níveis de testosterona vêm sem efeitos físicos prejudiciais e não requerem tratamento. Em todo caso, o mais recomendado é procurar um profissional médico para confirmar se o tratamento é necessário.

Terapia de reposição de testosterona (TRT)

Para as pessoas que estão preocupadas com testosterona baixa ou alta, o médico pode realizar um exame de sangue para medir a quantidade do hormônio no sangue do paciente. Quando os médicos encontram o baixo T, eles podem prescrever a terapia com testosterona, na qual o paciente toma uma versão artificial do hormônio. Isso está disponível nas seguintes formas: um gel para ser aplicado nos braços, ombros ou abdômen diariamente; um adesivo de pele colocado no corpo ou no escroto duas vezes ao dia; uma solução aplicada na axila; injeções a cada duas ou três semanas; um adesivo colocado nas gengivas duas vezes ao dia; ou implantes que duram de quatro a seis meses.

A terapia de reposição de testosterona pode ajudar a restaurar algumas funções afetadas pela baixa testosterona. Estudos mostraram que a TRT afeta principalmente a força óssea e os níveis de hemoglobina no sangue, mas não a agudeza mental.

Estes podem, no entanto, desencadear efeitos colaterais, incluindo: aumento da contagem de glóbulos vermelhos; aumento dos seios e da próstata; diminuição do tamanho dos testículos; aumento dos sintomas urinários, como urgência urinária e frequência, dor ao urinar); acne em casos raros; dificuldades respiratórias durante o sono; alterações de humor e agressão, piora da apneia do sono, retenção de líquidos e maior risco de coágulos sanguíneos e doenças cardiovasculares, como ataque cardíaco e derrame.

É por isso que decidir seguir um tratamento de terapia de reposição de testosterona envolve decidir entre o benefício percebido da terapia sobre os sintomas de um indivíduo em particular e os riscos desse tratamento. Um estudo recente, por exemplo, sugere que o TRT proporciona benefícios extras para a mortalidade geral e derrame cerebral para homens cujos níveis de testosterona foram normalizados com o TRT. A pesquisa atual é conflitante. Estudos adicionais sobre a reposição de testosterona são necessários para que os médicos compreendam plenamente seus riscos e benefícios em potencial e identifiquem os indivíduos que podem obter mais benefícios.

Exercício físico e Testosterona

O exercício físico pode estimular uma liberação de testosterona a curto prazo, que pode amplificar o crescimento muscular. Assim, os aumentos nas concentrações de testosterona são relativos à intensidade e às várias formas de exercício. Em outras palavras, quanto mais você treinar, pelo menos com exercícios de resistência ou condicionamento metabólico, mais testosterona você ganha. Levar em consideração o tipo de exercício é importante. Repetições prolongadas de exercícios de resistência, por exemplo, parecem suprimir a testosterona. O sexo também é importante – veja também: como não retardar a ejaculação.

O exercício físico pode melhorar ainda os níveis de testosterona de homens acima do peso (na maioria dos casos possuem baixa testosterona), justamente ajudando-os a perder peso. Embora necessite de mais pesquisas e estudos sobre o assunto, os homens mais velhos parecem ter menos estímulo pós-exercício na testosterona. Ainda assim, o exercício oferece muitos outros benefícios à saúde para homens mais velhos, incluindo saúde óssea e muscular e melhor equilíbrio.

Entre os melhores exercícios para construir testosterona estão os exercícios multiarticulares que utilizam os maiores grupos musculares do corpo, como agachamento; levantamento de peso; supino; flexão, dentre outros.

Por outro lado, as mulheres respondem a exercícios intensos com aumentos muito pequenos e ou retardados de testosterona ou mesmo sem aumento nenhum desse hormônio.

Perguntas e Respostas sobre Testosterona

1) Quais são os sinais e sintomas dos baixos níveis de testosterona nos homens?

Os níveis de testosterona “desequilibrados” mais comuns são encontrados no lado baixo do normal; isso ocorre porque o nível mais alto de testosterona do homem geralmente atinge o pico por volta dos 20 anos e, em seguida, diminui lentamente com a idade. Tem sido sugerido que uma redução de 1% no nível de testosterona por ano não é incomum para homens de meia-idade (30 a 50 anos) e mais velhos. Embora essa diminuição possa não ser perceptível em alguns homens, outros podem sofrer mudanças significativas a partir de seus anos de meia-idade ou, mais comumente, aos 60 anos ou mais.

Esta queda nos níveis de testosterona é às vezes denominada hipogonadismo, “menopausa masculina” ou andropausa. Baixos níveis de testosterona podem resultar em um declínio de energia física, força, energia, diminuição da agressividade mental. Outros sintomas de baixa testosterona nos homens podem incluir também mais dores nos ossos e articulações do que o normal, declínio na libido e ereções, ganho de peso e osteoporose.

2) Qual a idade média para começar a se preocupar com o desequilíbrio dos níveis de testosterona?

Um nível normal de testosterona masculina atinge o pico em torno dos 20 anos de idade, e então declina lentamente. Os níveis de testosterona acima ou abaixo da faixa normal são considerados por muitos como fora de equilíbrio. Para medir seu nível de testosterona, seu médico pode solicitar um exame de sangue. O teste deve ser feito de manhã entre as 7h e às 10h. Se o resultado não for normal, você deve repetir o teste para ter certeza do resultado. Em homens saudáveis, os níveis de testosterona podem mudar muito de um dia para o outro, então um segundo teste pode ser normal.

3) Quais são os benefícios de níveis de testosterona acima do normal?

Níveis de testosterona acima da média incluem benefícios aos homens, como a normalização da pressão sanguínea e a diminuição da probabilidade de casos de obesidade e ataques cardíacos.

4) Quais são as desvantagens de ter níveis de testosterona acima da média?

As principais desvantagens dos níveis de testosterona acima da média incluem o fato de que os homens tendem a consumir mais bebidas alcoólicas e ficam também mais propensos a fumar. Segundo alguns pesquisadores, quanto maior o nível de testosterona, maior a probabilidade de os homens participarem de comportamentos de risco (sexual, risco de lesões e até atividades criminosas).

5) Qual a relação de esteroides anabolizantes e seus efeitos colaterais em relação à testosterona?

O uso de esteróides anabolizantes (hormônios androgênicos fabricados) interrompe a liberação de hormônio luteinizante e secreção de hormônio folículo estimulante da glândula pituitária, que por sua vez diminui a quantidade de testosterona e espermatozóides produzidos dentro dos testículos. Homens e mulheres que utilizam esteróides anabolizantes para ganhar uma “vantagem” atlética (por exemplo, alguns atletas profissionais) ou para aumentar a massa muscular (por exemplo, os fisiculturistas) podem experimentar altos níveis de testosterona e desenvolver complicações e efeitos colaterais. Nos homens, a exposição prolongada aos esteróides anabolizantes resulta em infertilidade, diminuição do desejo sexual, encolhimento dos testículos e desenvolvimento das mamas.

Danos no fígado podem resultar de suas tentativas prolongadas de desintoxicar os esteróides anabolizantes. Alterações comportamentais (como aumento da irritabilidade) também podem ser observadas. Reações indesejáveis ​​também ocorrem em mulheres que tomam esteróides anabolizantes regularmente, pois uma alta concentração de testosterona, natural ou produzida, pode causar masculinização das mulheres.

6) Quantas vezes um homem deve ter seus níveis de testosterona verificados?

Alguns médicos sugerem que o monitoramento dos níveis de testosterona a cada cinco anos, a partir dos 35 anos, é uma estratégia razoável a ser seguida. Se o nível de testosterona cair demais ou se o indivíduo apresentar os sinais e sintomas dos baixos níveis de testosterona descritos acima, a terapia com testosterona pode ser considerada. No entanto, assim que a terapia com testosterona é iniciada, os níveis de testosterona devem ser monitorados para garantir que o nível de testosterona não fique muito alto, pois isso pode causar estresse no indivíduo, e altos níveis de testosterona podem resultar em alguns dos problemas negativos. anteriormente vistos.

7) Como garantir que os níveis de testosterona permaneçam em equilíbrio?

A regulação da produção de testosterona é rigorosamente controlada para manter os níveis normais no sangue, embora os níveis sejam geralmente mais altos pela manhã e caiam depois disso. O hipotálamo e a glândula pituitária são importantes no controle da quantidade de testosterona produzida pelos testículos. Em resposta ao hormônio liberador de gonadotrofina do hipotálamo, a glândula pituitária produz o hormônio luteinizante que viaja na corrente sanguínea até as gônadas e estimula a produção e liberação de testosterona. Encontrar o equilíbrio apropriado da testosterona é possível através de discussões com o seu médico, e uma autodisciplina para manter sempre uma rotina de medição dos níveis de testosterona verificados antes do início da terapia e depois verificados rotineiramente no futuro.

8) Existe alguma relação entre anticoncepcional e testosterona?

A testosterona funciona como contraceptivo, suprimindo a secreção do hormônio luteinizante das gonadotrofinas hipofisárias e do hormônio folículo estimulante. Níveis baixos desses hormônios diminuem a secreção de testosterona endógena dos testículos e privam os espermatozoides em desenvolvimento dos sinais necessários para a maturação normal. A interferência com a maturação dos espermatozóides causa um declínio na produção de espermatozóides e pode levar à infertilidade reversível em homens, levantando a possibilidade de que a testosterona possa ser utilizada em um contraceptivo comercialmente disponível. Para este fim, a testosterona foi estudada isoladamente e em combinação com análogos do hormônio liberador de gonadotrofina ou progestinas nos esforços para melhorar sua eficácia contraceptiva.

9) O baixo nível de testosterona pode influenciar no surgimento do câncer de próstata?

Estudos recentes mostraram que tomar o hormônio da testosterona não aumenta o risco de um homem ser diagnosticado com a doença e até mesmo parece diminuir o risco de desenvolver câncer de próstata agressivo. Essas pesquisas são boas notícias para os homens que escolheram fazer a terapia de reposição de testosterona (TRT), embora na maioria dos casos os indivíduos que tomam o hormônio não o façam pela condição médica (ou seja, hipogonadismo) para o qual a terapia é aprovada.

Curiosidades sobre a Testosterona

1) As mulheres apaixonadas têm mais testosterona

As mulheres apaixonadas têm testosterona mais alta nos poucos meses após o início de um relacionamento do que as mulheres solteiras ou com relacionamentos de longo prazo, sugere estudos italianos sobre o tema. O oposto acontece com os homens; os recém apaixonados têm testosterona mais baixa do que os homens que estão sozinhos ou com parceiros de longo prazo.

2) Testosterona pode encolher sua barriga

Homens cujos níveis de testosterona estão abaixo do normal podem perder aquele “pneuzinho” saliente quando tratados com a ingestão de testosterona. Estudos mostram que há uma redução da obesidade abdominal em homens que recebem testosterona. Como os efeitos a longo prazo da terapia com testosterona ainda não foram bem estudados, ela é geralmente recomendada apenas em homens com níveis de testosterona abaixo do normal e sintomas como fadiga, perda de massa óssea ou muscular ou disfunção sexual.

3) Ganhar dinheiro afeta os níveis de testosterona

Os jovens que são comerciantes têm um pico de testosterona nos dias em que fazem um lucro acima da média, descobriram pesquisadores britânicos. E no período da manhã, quando os níveis de testosterona nos homens estavam acima da média, seus lucros médios à tarde eram mais altos do que nos dias com baixos níveis de testosterona, sugerindo uma possível relação de causa e efeito. Comerciantes mais experientes mostraram uma ligação ainda mais forte entre a testosterona e os lucros.

4) Mãos revelam segredos hormonais

Em homens e meninos, o dedo indicador direito é mais curto em relação ao dedo anular direito do que nas meninas. Isso foi encontrado em outras criaturas de cinco dedos, como ratos. Os cientistas descobriram que a diferença é um marcador claro para a exposição fetal à testosterona. Quanto mais alto for o nível de testosterona antes do nascimento, menor será a proporção ponteiro-dedo-dedo-anel.

5) Níveis baixos estão ligados à apneia do sono

Os homens com apneia do sono têm maior probabilidade de ter baixos níveis de testosterona, e o tratamento da apneia do sono pode ajudar a retorná-la ao normal. Mas se um homem com apneia do sono é diagnosticado com baixa testosterona sozinha, tomar o hormônio suplementar pode piorar a apneia do sono.

É por isso que é crucial para os homens com baixos níveis de testosterona obter um exame completo por um endocrinologista para que condições subjacentes que possam causar baixa testosterona, como a apneia do sono ou tumores da glândula pituitária, não sejam diagnosticadas.

6) Alto nível de testosterona pode matar as células cerebrais

Pesquisadores mostraram que as células nervosas expostas a altos níveis de testosterona tinham maior probabilidade de se autodestruir. O hormônio impulsionou um mecanismo de “suicídio celular” conhecido como apoptose, que, sob circunstâncias normais, supostamente ajuda o corpo a eliminar células cancerígenas ou anormais. A exposição a baixos níveis de testosterona, no entanto, não teve efeito sobre as células.

7) Começar uma família reduz os níveis de testosterona

Todos nós já tivemos esse amigo que se tornou uma versão diferente de si mesmo depois de se estabelecer com uma família. No entanto, as estatísticas mostram que casar e começar uma família pode fazer com que os níveis de testosterona diminuam. Resultados de estudos mostraram que os pais têm níveis mais baixos de testosterona salivar do que homens solteiros e não-casados. Embora o mecanismo exato não seja realmente conhecido, uma ideia é que, embora a testosterona seja importante quando os machos competem por um parceiro, quando têm sucesso e se estabilizam, há menos necessidade de níveis elevados.

Fontes e Mais Informações sobre os Benefícios da Testosterona

Comments are closed