Sexo anal sem camisinha tem riscos?

Sexo anal

À medida em que a prática do sexo anal deixa de ser um tabu, muitos avanços são feitos. A maior quantidade de informação disponível a respeito do assunto permite, por exemplo, que as pessoas obtenham mais prazer com a prática, tanto para homens quanto para mulheres.

No entanto, além do aprendizado a respeito do prazer obtido com a prática, é importante conhecer mais a respeito da segurança. Isso porque sexo anal sem camisinha tem risco adicional em comparação ao sexo vaginal.

Sexo anal sem camisinha

Muitas casais pensam que, por não haver risco de gravidez, a prática do sexo anal sem camisinha pode ser feita normalmente. Na verdade, por ser uma região menos lubrificada e com mais acúmulo de materiais orgânicos, há diversos riscos a serem levados em consideração.

Sexo anal sem camisinha tem risco, e eles não são poucos. Entenda mais sobre o assunto, e saiba como se proteger:

Devo usar camisinha ao praticar sexo anal?

Sim, a camisinha é essencial em todas as relações sexuais, incluindo no sexo anal. A necessidade de camisinha independe da idade e do gênero de seus praticantes. O atrito do ânus é especialmente propício a gerar pequenos cortes que facilitam a entrada de agentes que manifestam DSTs, o que tornam a proteção absolutamente necessária.

Quais os riscos de se praticar sexo anal sem camisinha?

Se praticado com cuidado, o sexo anal depende apenas da vontade do casal, apresenta bom nível de segurança. No entanto, sexo anal sem camisinha tem riscos. Entre eles, destacam-se:

  • HIV: atualmente, já é possível afirmar que o sexo anal desprotegido apresenta uma maior risco de transmissão de HIV do que sexo vaginal ou oral desprotegido, especialmente para a mulher ou para o polo passivo da atividade. O vírus pode levar à Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, a AIDS;
  • Papiloma Vírus e verrugas: a falta de proteção pode facilitar a transmissão do vírus durante o ato sexual;
  • HPV e câncer no reto: alguns tipos de vírus HPV possuem potencial cancerígeno, especialmente na garganta e no reto. Por isso, a utilização de camisinha é essencial até mesmo para cuidados com o organismo a longo prazo;
  • Hepatite A: essa forma viral de hepatite infecciosa pode gerar icterícia, além de reduzir significativamente a qualidade de vida. Embora quase nunca seja uma condição fatal, tende a gerar efeitos bastante desagradáveis para quem sofre do problema.
  • Hepatite C: diferentemente a hepatite A, este tipo de hepatite pode ser causa progressiva de doenças crônicas no fígado, podendo levar à morte em pouco tempo. A hepatite C pode ser transmitida por via anal em relações sexuais sem camisinha, embora os riscos sejam reduzidos, em comparação a outras infecções;
  • coli: trata-se de um infecção que aloja-se no sistema digestivo, e pode ser infeccioso tanto através da via oral, quanto da via anal. Uma vez no ânus, a bactéria atravessa facilmente o caminho até o canal urinário, podendo causar infecção urinária. Há riscos ainda maior de transmissão da bactéria em casos de sexo anal seguido por sexo vaginal sem proteção, ou sem a troca da camisinha;

Como tornar o sexo anal mais seguro?

Há basicamente duas formas de tornar o sexo anal infinitamente mais seguro do que sem proteção. A primeira, obviamente, é utilizar camisinha. O sexo anal sem camisinha tem risco, como você acabou de ler, e eles atuam a curto, médio e longo prazo. Além da camisinha, é importante manter o ânus especialmente limpo para a relação sexual, reduzindo os riscos de presença de agentes contagiosos.

Outra forma de proteger-se é observar os limites físicos do corpo. O sexo anal torna-se mais seguro quando é adequadamente lubrificado, pois isso evita lesões na pele. Além disso, realizar a prática apenas quando a pessoa está “no clima”, garante que a experiência seja, além de mais prazerosa, menos arriscada para ambos.Sexo anal sem camisinha

Recomendados Para Você:

teste