HGH: benefícios e como aumentar o hormônio do crescimento no corpo

Antes de ler esse artigo, tenho uma pergunta para você: Você tem interesse em demorar muito mais na cama? Quer saber o segredo dos atores pornô e deixar sua mulher LOUCA DE TESÃO? Clique aqui e assista ao vídeo.

Última atualização: 04/09/2018

O que a natureza não dá, não há nada que uma boa carga de hormônios não possa garantir! Se você é atleta ou praticante de atividades físicas e treina pesado para aumentar o ganho de massa muscular, já deve saber que a testosterona é um dos hormônios mais importantes para você conseguir conquistar o seu objetivo de maneira mais rápida e eficiente, já que é um dos anabólicos que mais contribuem com a sonhada hipertrofia muscular.

No entanto, além do hormônio masculino, o hormônio do crescimento (GH, Growth Hormone, ou HGH, Human Growt Human) é outro anabólico que melhor favorece no aumento dos músculos e queima de gordura corporal, potencializando na busca pela musculatura grande e bem definida. Ele é produzido naturalmente pelo corpo humano à medida que vamos crescendo, ou seja, desde a infância até chegar à fase adulta.

Porém, assim como acontece com a testosterona, quando chegamos neste período – mais especificamente, a partir dos 30 anos de idade -, ele passa a ter a produção reduzida pelo organismo, perdendo uma taxa de 25% a cada 10 anos, acarretando no envelhecimento precoce e, ainda, dificultando o crescimento muscular.

É por esta razão que muitos bodybuilders, fisiculturistas e halterofilistas, além de amadores em musculação, procuram aumentar a produção do HGH no corpo, a fim de potencializar os ganhos nos treinos. Para isso, a boa notícia é que o HGH pode ter as suas taxas aumentadas no organismo por meios naturais ou, ainda, através de suplementos ou versões injetáveis de reposição hormonal.

Quer saber quais são os benefícios e como aumentar os níveis desse hormônio no corpo? Então, continue de olho nos próximos parágrafos do nosso artigo de hoje!

O que é e para que serve o HGH?

Também conhecido como somatropina, o GH ou HGH (Human Growt Humanou Hormônio do Crescimento Humano, em tradução livre) é um hormônio produzido pelo corpo humano, considerado uma fonte da juventude moderna que funciona como uma alternativa saudável para retardar o envelhecimento precoce.

Trata-se de uma proteína anabólica (ideal para a hipertrofia muscular) produzida pela glândula hipófise, situada na base do cérebro, que é fundamental em uma série de processos metabólicos no nosso organismo e traz inúmeros benefícios ao corpo humano, tais como desenvolvimento ósseo, estímulo da lipólise (quebra de gordura), redução das taxas de glicose no sangue e, é claro, crescimento de diversos tecidos, entre eles, o muscular.

Por isso, o HGH é essencial tanto para quem exerce alguma atividade física quanto para quem não pratica atividade alguma, inclusive para crianças com problemas de crescimento, podendo atuar no aumento da sua estatura física.

Na prática, a secreção desse hormônio é regulada pelo hipotálamo, que o libera na corrente sanguínea de acordo com o ciclo circadiano, ou seja, do relógio biológico humano, que é de aproximadamente 24 horas.

A hipófise libera HGH a cada 3 ou 5 horas, que é distribuído rapidamente, sendo que a sua maior concentração no sangue é atingida mais ou menos uma hora após o início do sono. Além disso, a produção desse hormônio tem o seu maior pico na puberdade, quando promove um crescimento muscular acelerado e aumento da densidade óssea.

A ação dele se dá através do estímulo à liberação do fator de crescimento idêntico ao da insulina, ou IGF-1, como também é chamada. Para quem não sabe, produzida principalmente no fígado, a insulina tem o papel essencial de aumentar a síntese de proteínas, diminuir os níveis de gordura corporal e reduzir as taxas de glicose no sangue, o que a torna um dos hormônios mais importantes para quem quer aumentar a musculatura.

Isso porque, graças a todos esses fatores, além de aumentar o tamanho das fibras musculares (hipertrofia), o IGF-1 também favorece o aumento do número de fibras musculares (hiperplasia).

Portanto, isso quer dizer que o hormônio do crescimento pode levar à divisão das fibras musculares já existentes no corpo e formação de outras novas, estado que, a princípio (ainda há muita polêmica no debate a respeito desse assunto na comunidade científica), não pode ser atingido somente com a prática de exercícios físicos.

Inclusive, estudos indicam que o hormônio do crescimento pode ser muito melhor que a testosterona e seus derivados na busca pelo aumento dos músculos, uma vez que ele não é androgênico e não causa aromatização (convertido em estrógeno), como acontece com o hormônio masculino.

Benefícios do hormônio do crescimento

O pico da produção do hormônio endócrino se dá na adolescência, como já falamos anteriormente. Quando envelhecemos, a nossa produção natural começa a entrar em decadência como parte do processo do envelhecimento das células, sendo que os sintomas da falta de HGH no organismo passam a ser naturalmente associados à velhice, como: aparição de rugas, cabelos e pelos brancos, falta de energia para realizar tarefas básicas, aumento das chances de contrair alguma doença cardiovascular, interrupções no sono, perda da densidade óssea e falta de vigor sexual, por exemplo.

Por isso, o hormônio do crescimento é tido por muitos como uma verdadeira fonte da juventude, já que,além de retardar os efeitos do envelhecimento, tanto no organismo quanto em nossa aparência física, ainda aumenta a sensação de bem-estar, trazendo uma série de outros benefícios para nosso corpo.

Segundo alguns especialistas, a inserção do suplemento em uma rotina suplementar poderá atrasar seu relógio biológico em 20 anos! Entre os efeitos mais notáveis, podemos citar:

  • Protege o coração, prevenindo alterações cardíacas;
  • Ajuda a controlar os níveis de açúcar no sangue;
  • Auxilia a produção de massa magra, aumentando a síntese da proteína na reconstrução de músculos (especialmente se a pessoa praticar exercícios físicos de média intensidade).
  • Cria uma sensação de bem-estar, prevenindo doenças como a depressão;
  • Melhora a qualidade do sono;
  • Melhora o desempenho sexual;
  • Atenua os efeitos do envelhecimento no organismo e na pele, proporcionando uma aparência mais jovial e um organismo mais saudável;
  • Melhora a oxidação lipídica (uso dos estoques de gordura como fonte de energia para o metabolismo).

Sintomas da falta de GH no organismo

Os níveis de HGH começam a diminuir no organismo em até 25% a cada década após os 30 anos de idade. Com isso, começam a surgir alguns sintomas indesejados, que incluem:

  • Perda de massa muscular;
  • Aumento do percentual de gordura, principalmente na região abdominal;
  • Interrupções no sono;
  • Maior risco de doenças cardiovasculares;
  • Perda da densidade óssea;
  • Perde energia para as tarefas do dia a dia;
  • Surgimento de sinais do envelhecimento, como rugas, cabelos e pelos brancos;
  • Falta de apetite sexual.

Como aumentar a produção do HGH?

Umas das formas de aumentar a produção do GH pode ser naturalmente, realizando exercícios físicos ou melhorando a dieta, por exemplo. Confira, a seguir, as melhores formas de aumentar o HGH e potencializar o ganho de massa magra mais rapidamente:

Naturalmente:

Durma mais

Depois do surgimento da era digital, sem dúvidas, muitas pessoas passaram a dormir menos, ou seja, abaixo de 8 horas por dia, e a ter noites de menos qualidade. E como aproximadamente 75% do total do hormônio de crescimento liberado por meio da hipófise é produzido durante o sono, especialmente em sua fase mais profunda, é preciso começar a dormir mais e melhor para conseguir aumentar os seus estoques no organismo.

Por isso, o ideal é começar a ter, pelo menos, entre 8 à 9 horas do dia só para dormir bem e, portanto, aumentar o HGH no organismo. Além disso, se você pratica atividades físicas, ter boas noites de sono também ajudará na recuperação do tecido muscular lesionado durante os treinos, outro fator crucial para acelerar a hipertrofia da musculatura.

Evite o açúcar

Se você costuma ingerir muito açúcar na sua rotina, é bom começar a repensar esse consumo se quiser aumentar os estoques do hormônio do crescimento no seu organismo e potencializar o ganho de massa muscular. Como o açúcar é um carboidrato de digestão rápida, ele é absorvida também rapidamente após a ingestão, favorecendo o pico de insulina.

Para quem não sabe, níveis mais elevados de insulina na circulação sanguínea bloqueiam a liberação do HGH e de testosterona no organismo, além de reduzirem o metabolismo e, portanto, aumentarem o acúmulo de gordura corporal. Além disso, a ingestão de açúcar provoca a liberação de somatotastina, um hormônio que inibe a secreção de hormônio do crescimento.

Treine com intensidade

Você já sabe que, se quiser aumentar o ganho de massa muscular, vai precisar treinar pesado na academia, certo? No entanto, além de favorecer o crescimento muscular e facilitar a queima de gordura, a musculação também pode ajudar a aumentar de maneira significativa os estoques do hormônio do crescimento.

Por isso, se não estava dando a devida importância aos exercícios físicos, é hora de incluir no seu treino exercícios de mais intensidade, como agachamento terra, agachamento com peso, supino e remada, por exemplo, que ajudam a trabalhar vários músculos ao mesmo tempo, acelerando a liberação do HGH na corrente sanguínea.

Para não saturar os músculos e continuar recebendo os benefícios do hormônio do crescimento ao praticar atividades físicas, o ideal é limitar o seu treino a 45 minutos por sessão, uma vez que a partir daí a produção do hormônio endócrino é interrompida, dando lugar a outros hormônios não tão benéficos para o seu corpo, como é o caso do cortisol, o famoso hormônio do estresse, que tem potencial altamente catabólico.

Consuma precursores de HGH

Outro segredo para conseguir aumentar o HGH no organismo é a partir de suplementação com precursores hormonais, ou seja, ativos que estimulam a produção de hormônios. Dentre eles, podemos citar os aminoácidos arginina, lisina, glutamina, ornitina, colina (componente das vitaminas do complexo B, encontrado mais comumente em ovos) e ácido gama-aminobutírico (também chamado de GABA).

Para se ter uma ideia, alguns estudos demonstraram que a combinação de arginina e lisina, em uma quantidade de 3 a 5 gramas dos dois juntos, antes do treino, pode potencializar a produção do hormônio do crescimento em até 700%. Enquanto isso, outro estudo indicou que o consumo de apenas 2 gramas de glutamina, sempre no pós-treino ou antes de dormir, também já é ideal para aumentar os estoques de HGH no corpo.

E tem mais! De acordo com a American Society For Nutrition, a arginina também pode ser ingerida antes dos treinos, em uma quantidade de 5 a 10 gramas, para o mesmo objetivo.

Inclua mais proteínas no cardápio

Já come proteínas na dieta para potencializar o ganho de massa muscular? Então, adicione mais desses nutrientes ao cardápio para aumentar também os níveis de HGH no corpo e conquistar ainda mais rápido o sonho de músculos grandes e fortes. Isso porque ela é formada por aminoácidos, que, por sua vez, ajudarão na melhor produção desse hormônio.

Além disso, vale lembrar que uma alimentação rica em proteínas e com poucos carboidratos refinados ajuda a evitar a liberação excessiva de insulina na corrente sanguínea, o que, como você já deve saber, é ideal para não interromper a produção do GH no cérebro.

Aposte em treinos HIIT

Os famosos treinos intervalados de alta intensidade (HIIT) são feitos com exercícios que ajudam a acelerar rapidamente os batimentos cardíacos acima da capacidade anaeróbica costumam exigir mais das fibras musculares de contração rápida, que, por sua vez, impulsionam a liberação do hormônio do crescimento naturalmente. O ideal para é investir nesse tipo de treinamento pelo menos uma vez na semana, com sessões de, no mínimo, 20 minutos.

Faça jejum intermitente

Outra maneira de aumentar os níveis do hormônio do crescimento é fazendo o chamado jejum intermitente, que nada mais é que o ato de passar períodos curtos de jejum seguidos de períodos maiores de consumo calórico normal. Mas como ficar sem comer pode influenciar no aumento das taxas de HGH no corpo? Simples!

Um estudo realizado na Dinamarca, em 2005, mostrou que ficar sem se alimentar ao longo do dia pode potencializar o aumento desse hormônio na circulação sanguínea, enquanto outro estudo feito nos EUA, na Universidade de Virginia, também apontou que ficar 24 horas em jejum também pode influenciar a produção do HGH em até 2.000%.

Mas e o catabolismo? De acordo com especialistas, com o aumento do hormônio do crescimento no organismo promovido pelo jejum intermitente, é possível compensar esse efeito colateral e, ainda, favorecer ainda mais a síntese de proteínas. Por isso, é possível apostar no jejum intermitente para ter mais GH no corpo e, portanto, ganhar mais massa muscular. Clique aqui para saber como fazer jejum intermitente passo a passo.

Consuma feno-grego

O feno-grego é uma erva asiática que possui propriedades anabólicas e vem sendo estudada por ser uma estimulante do hormônio do crescimento. Também conhecida como fenugreek, a plantinha, além de estimular a produção natural de testosterona no organismo, ela também tem o mesmo efeito sobre a liberação do HGH no cérebro. O feno-grego pode ser comprado na forma de sementes e adicionado à sopas, saladas, sucos ou, ainda, na versão em chá.

Aumente a vitamina D no corpo

A vitamina D é uma das principais precursoras do hormônio do crescimento, sendo fundamental em diversos processos que atuam no aumento dos estoques do HGH no organismo, segundo uma pesquisa realizada pela Universidade de Gênova, na Itália.

Além disso, outro benefício desse nutriente é que ele também é capaz de estimular a produção de testosterona que, em conjunto com o GH, é ideal para potencializar a hipertrofia muscular. Portanto, a dica é aumentar as quantidades de vitamina D no corpo para conseguir o corpo musculoso que você deseja. Você pode fazer isso aumentando a exposição ao sol, consumindo mais peixes de água fria no cardápio, como é o caso do salmão, sardinha e atum, além de alimentos como gemas, fígado e cogumelos.

Sorria mais!

Você poderia imaginar que dar boas gargalhadas poderia aumentar a produção do hormônio do crescimento no corpo? Pois é isso mesmo! Para você ter uma ideia, um estudo realizado em 1989 mostrou que os voluntários que assistiram a 60 minutos de comédia conseguiram aumentar em até 87% os estoques de HGH na circulação sanguínea.

Além disso, outro benefício de sorrir é que ele aumenta a sensação de prazer e, portanto, afasta o estresse, estado que, por sua vez, pode estimular a liberação de cortisol no organismo, o terrível “hormônio do estresse”.

Aposte em um detox

Por ajudar a eliminar as toxinas do organismo e melhorar o funcionamento do fígado, o detox também pode ser uma ótima opção para aumentar os estoques de HGH no corpo. Isso porque, para quem não sabe, o hormônio do crescimento passa primeiro pelo fígado, onde é convertido em IGF-1, para, só então, ser usado pelo organismo para estimular a hipertrofia muscular.

Por isso, é preciso fazer um detox para evitar a sobrecarga do fígado e fazer com que ele funcione de maneira adequada el portanto, não afete os níveis de IGF-1 na circulação sanguínea. Por isso, para desintoxicar o seu fígado, aposte em verduras frescas, como espinafre, couve, salsa e almeirão, por exemplo.

Faça um suco com elas e tome sempre pela manhã. Para fazer um detox completo e eficiente, evite também consumir álcool, açúcar e gordura em excesso.

Potencialize o seu cardápio

Confira, a seguir, os alimentos que você deve incluir no seu cardápio para promover uma melhor produção de hormônio do crescimento no corpo:

Framboesa: um estudo realizado no importante jornal científico americano, Clinical Endocrinology, revelou que o consumo da fruta pode aumentar em até 150% a produção natural do HGH.

Vagem: a universidade de Kobe, no Japão, constatou que um aminoácido presente no vegetal faz com que o GH atinja todos os pontos necessários do organismo.

Carne vermelha: consumir cerca de 100 gramas de carne vermelha aumenta cerca de quatro vezes a produção do hormônio.

Reposição hormonal (HGH injetável):

Além dessas formas naturais de aumentar o GH no organismo, também é possível potencializar os níveis desse hormônio a partir de uma reposição hormonal injetável. Porém, para quem tem o objetivo de potencializar o ganho de massa muscular, vale ressaltar que a aplicação do HGH injetável só é recomendada em casos de deficiência da produção desse hormônio no organismoOu seja, não é recomendada para fins estéticos!

Além disso, a versão injetável do hormônio do crescimento também é mais indicada para casos de doenças em que a reposição hormonal está relacionada à melhorias no crescimento, como é o caso das chamadas síndromes de insuficiência renal crônica em crianças ou adolescentes, de Turner (que nada mais é que a baixa estatura de meninas com problemas de desenvolvimento na puberdade) e, ainda, doenças genéticas.

Portanto, antes de tomar qualquer decisão, converse antes com o seu médio endocrinologista, que é o profissional mais capacitado para prescrever o seu uso terapêutico. Na prática, o HGH injetável é aplicado a partir de injeções diárias, por via subcutânea (na gordura) nas regiões dos braços, coxas, abdômen e nádegas, sempre antes de dormir.

Efeitos colaterais

É muito importante fazer a aplicação do HGH injetável com prescrição e acompanhamento médico, pois o seu uso excessivo ou indevido pode causar os seguintes sintomas indesejados:

  • Retenção líquida, podendo levar à sensação de ganho de peso e inchaços;
  • Dor e vermelhidão no local da aplicação;
  • Formigamento nas extremidades, especialmente no caso de portadores de síndromes, como é o caso da túnel do carpo;
  • Dores nas articulações e musculares;
  • Quando em uso constante, hipertensão intracraniana, trazendo vômitos, dores de cabeça, agitação, alterações visuais, entre outros fatores.

Contraindicações

O HGH injetável não deve ser utilizado por pessoas encaixadas nos seguintes grupos:

  • Pacientes com crescimento não controlado de tumores intracranianos benignos;
  • Portadores de neoplasias (tumores) malignos em atividade;
  • Pacientes severamente enfermos por complicações após cirurgia abdominal, cirurgia cardíaca, insuficiência respiratória aguda ou trauma acidental múltiplo.
  • Portadores de diabetes descompensado ou com retinopatia diabética.

ATENÇÃO!

Mais uma vez, vale lembrar que o HGH injetável não deve ser utilizado para fins estéticos, o que inclui a hipertrofia muscular. Esse artigo é meramente informativo e não tem nenhuma intenção de influenciar o uso de reposição hormonal para o ganho de músculos por praticantes de atividades físicas, esportistas, fisiculturistas ou halterofilistas. Antes de tomar qualquer decisão, converse com o seu médico endocrinologista!

Artigos Relacionados:

Recomendados Para Você:

One Comment

  1. Ja comprei o somatrodol e não me fez bem, tive queda de cabelo e desregulou minha tabela periódica.
    Queria saber se este pode ser tomado por mulheres, e quais sao as reações adversas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *