Arginina: o que é? Para quê serve?

A arginina, também chamada de L-arginina é um dos vinte aminoácidos que nosso corpo absorve das proteínas. Ela é, geralmente, considerada um aminoácido semi-essencial, o que significa que o corpo facilmente obtém a quantidade necessária do nutriente através de uma dieta saudável.

Arginina

Algumas pessoas, no entanto, não possuem uma dieta suficientemente completa para absorver o necessário, ou – ainda – precisam de doses adicionais de arginina para garantir um certo nível do nutriente no corpo.

Saiba tudo sobre a arginina, e qual sua importância para o organismo:

Onde a arginina é obtida?

A arginina pode ser encontrada em diversos alimentos, incluindo carnes vermelhas, frango, peixe, laticínios, sementes, nozes, alguns vegetais e frutas.

Um dos alimentos que mais apresenta níveis do aminoácido é o peru, embora porções regulares de sementes, nozes e feijões sejam fontes suficientes do nutriente, para manter o corpo abastecido da dose que necessita.

Os suplementos de arginina também estão disponíveis em formas diferentes, sendo os mais comuns os tabletes orais, ou – em casos clínicos – injeções. É importante estar sempre acompanhado do auxílio médico ao iniciar a ingestão de um novo suplemento.

O que a arginina faz?

Uma das principais funcionalidade da arginina no corpo é converter o óxido nítrico, que é responsável pela expansão e relaxamento dos vasos sanguíneos – mecanismo essencial para regular o fluxo sanguíneo.

Por causa disso, muitos médicos recomendam a arginina para tratar condições cardíacas e problemas nos vasos sanguíneos, como falhas cardíacas, dores agudas no peito, pressão sanguínea inadequada, disfunção erétil, artérias entupidas e dores de cabeça.

Atuação na saúde cardíaca

Há um certo debate sobre o fato de a arginina prevenir ou não ataques cardíacas, e se o paciente deveria tomar suplementos com este nutriente após um ataque cardíaco. Alguns estudos demonstram que tomar arginina neste tipo de condição pode, na prática, gerar alguns efeitos negativos, enquanto outros estudos dizem exatamente o contrário.

Sabe-se que a arginina é parte importante do mecanismo de regulamentação dos vasos sanguíneos de nosso corpo, mas é difícil definir a quantidade ideal dela no organismo. Isso significa que é importante recorrer a um médico antes de tomar qualquer suplemento deste tipo, para garantir que você não estará prejudicando seu próprio corpo.

Fluxo sanguíneo

Se a arginina é contestada em relação à saúde direta do coração após problemas coronários, ela já é melhor estudo em relação ao funcionamento do fluxo de sangue pelo corpo.

Sabe-se, inclusive, que ela auxilia em tratamentos relacionados à disfunção erétil. Acredita-se que sua ação vasodilatadora auxilie na ereção para homens que possuem disfunção erétil de nível moderado (aqueles que não são totalmente disfuncionais).

Outros usos

Alguns estudos mais recentes demonstram outros efeitos positivos da arginina. Um estudo chinês demonstrou que quantidades adequadas de arginina no corpo geram efeitos positivos na regulação do sistema imunológico, e que o consumo do amino-ácido antes de exercícios físicos intensos diminui o tempo até que o atleta esteja fatigado.

Outro estudo bastante recorrente a respeito da utilização do nutriente diz respeito à melhoria de tolerância à glicose que ela promove no corpo, o que a torna uma das maiores apostas atuais em relação ao desenvolvimento de novos tratamentos e ferramentas de auxílio a pacientes com diabetes.

Suplementos de arginina também costumam ser combinados com outras medicações para aliviar efeitos colaterais de medicamentos e doenças. É o caso de sua suplementação em pacientes com câncer que estão no processo de quimioterapia, como uma forma de evitar perdas de peso excessivas e dores colaterais.

É um ótimo componente, também, para auxiliar na aceleração do sistema imunológico em pós cirúrgicos, além de atuar como uma forte de combater a perda de massa magra em pacientes portadores de HIV que lutam contra a perda de peso.

Recomendados Para Você:

teste